RSS

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Ônibus lotado e outras adversidades dos coletivos

Sim amigos leitores, demorou, mas finalmente eu estou falando dessa calamidade publica: o Ônibus lotado!
Quando eu tenho a infelicidade de pegar um coletivo nesse estado critico entendo que a física pode estar um pouco equivocada, pois ao contrario do que ela diz nós pode-se sim dois corpos podem e devem ocupar o mesmo espaço (porque se não os outros passageiros não vão poder entrar).
Fazendo uma analogia mais cruel da situação, podemos comparar um ônibus repleto de pessoas com um verdadeiro pandemônio, onde o motorista acha pouco o calor infernal (porque o calor humano é foda!) que se concentra dentro do coletivo e ainda fica dando freadas desnecessárias, dirigindo de forma bárbara (que até minha mãe dirigiria melhor) e as vezes até reclamando dos passageiros (coisa que ele nem tem o direito de fazer, porque afinal nós que pagamos o mísero salário dele com o preço abusivo da passagem).
Outra coisa que me irrita são os cobradores, que mesmo vendo nós estudantes (pelo menos eu na época que eu estudava) vestidos de farda, com uma bolsa colossal nas costas e uma tarja bem grande escrita "ESTUDANTE" na cara ainda pedem para mostrar a carteira de estudante (se eu ainda usasse farda, eu ainda chegaria pra perguntar a um desses cobradores se ele acha que eu uso farda de escola porque eu quero ou se ele acha que é uma nova tendência da moda).
 Também tem os ignorantes que tiveram a sorte de pegar o busão mais vazio (e consequentemente conseguiram acomodar suas busanfas nos acentos)  e que nem sequer têm um pingo de solidariedade em conceder os seus colos para abrigar nossa bagagem, que quase sempre, nos prejudicam  no ato de ficar pindurados feito macacos no galho.
Sem falar é claro dos palhaços de torcida organizada, que degredam os ônibus que mais cedo do que se pensa vão precisar do mesmo transporte que destruíam; dos evangélicos, que ficam cantando os seus hinos com vozes irritantes e estridentes; dos vendedores de bugigangas e doces, que sempre tem uma familia pra sustentar e que fazem o maximo para nos comover dizendo que por isso é mais que necessário que compremos a suas quinquilharias; dos pedintes que seguem na mesma linha de raciocínio dos ambulantes, só que sem mercadoria em troca; e também (não podia faltar) os idiotas que ficam com seu MP e vai a porra no alto-falante com suas musicas de brega repletas da mais genuína cultura primata.

2 reclamações:

Renata de Aragão Lopes disse...

Adorei este blog!
Reclamar é fundamental! : )

Sempre que posso,
reclamo em versos
lá em minha confeitaria poética.

Um beijo,
doce de lira

. Pâmela Almeida. disse...

Ônibus lotado é foda :S
Uma vez rasguei a passagem ao meio e dei a metade para o cobrador com a justificativa de ter ido em pé. rsrs

Postar um comentário

Reclame à vontade!